quinta-feira, 8 de dezembro de 2016

Armando acusa Governo do Estado de não se antecipar à Seca

O senador Armando Monteiro (PTB-PE) acusou, nesta quinta-feira (8) o Governo do Estado de não haver se preparado adequadamente para enfrentar a Seca em Pernambuco, considerada a pior dos últimos 60 anos. Em discurso no plenário do Senado, enfatizou que “faltaram pró-atividade e capacidade de antecipação ao quadro de colapso” provocado pela estiagem, sobretudo no Agreste.
 
Segundo Armando, o governo estadual ignorou os alertas de especialistas que, ainda em 2012, apontavam que estava se avizinhando um período de seca mais severa do que no biênio 1983-84. Disse que, apesar do alto grau de vulnerabilidade do Agreste a estiagens, pela alta densidade demográfica e pela natureza das suas atividades produtivas e inexistência de reservas subterrâneas, somente agora, depois dos efeitos econômicos e sociais “devastadores” da seca, o governo local está tomando providências e com resultados apenas a partir do próximo ano.
 
“O Governo do Estado tinha alternativas. Ou se prepararia para assumir, com aportes de recursos, a obra da Adutora do Agreste e assim contribuiria para sua conclusão, ou buscaria outras opções, que somente agora estão sendo providenciadas, em caráter emergencial, depois de se constatar a crise de abastecimento d´água e de se assistir a graves perdas econômicas”, assinalou.
 


O senador petebista salientou que ficará apenas para 2017 a conclusão de obras como a Adutora do Pirangi, financiada pelo Banco Mundial, a perfuração de poços profundos em Tupanatinga e a construção do sistema Adutor do Moxotó, que dependem de recursos do governo federal,  cuja liberação anunciou que irá cobrar. “Até lá, infelizmente, o sofrimento da população continuará, como admitiu o presidente da Compesa, Roberto Tavares”, acrescentou.  

OBRIGADO DEP JÚLIO CAVALCANTI: TRAVESSIA DA ESCOLA COSTA PORTO/COQUE-RECIFE VISITA O MUSEU DO CAIS O SERTÃO

O projeto Travessia da  Escola Municipal Costa Porto, Localizada no Bairro do Coque/Recife, tendo a frente a professora Patrícia Peregrino levou seus alunos para aula de campo realizada no Museu do Cais do Sertão.


Além da visitação ao museu, de extrema importância para o alunos, foi oferecido Lanche e o Deputado Júlio Cavalcanti foi sensível ao processo pedagógico e de imediato disponibilizou Van para o transporte dos discentes.

Agradecemos ao Deputado pela oferta. 

Renan SempreLivre Calheiros


Governo antecipa prazos do IPVA para veículos usados. Todo mundo começa em janeiro.


Decreto foi publicado na edição desta quarta-feira (6) do Diário Oficial



Decreto

O Governo de Pernambuco publicou um decreto no Diário Oficial que dispõe sobre o Imposto sobre a Propriedade de Veículos Automotores (IPVA), exercício de 2017, relativo a veículos usados. De acordo com as informações disponíveis no DO de 6 de dezembro, publicado nesta quarta-feira (7), a primeira cota do IPVA passa a ser cobrada já em janeiro.

De acordo com o Artigo 2º do decreto nº 43.866, a norma entra em vigor na data de sua publicação e produz efeitos a partir de 1º de janeiro de 2017.


Os proprietários devem ficar atentos. Quem tiver veículos com a placa terminada em 1 e 2, a primeira cota tem o prazo estabelecido para 17 de janeiro. A última cota para todos os veículos vence em março.

Decisão do Supremo sobre Renan garante votação da PEC dos gastos

Renan Calheiros vai do desafio público à humildade após vitória no STF


Resultado de imagem para renan calheiros

Presidente do Senado classificou decisão da Suprema Corte de "patriótica"; resultado garante votação da PEC dos gastos, enquanto o projeto de abuso de autoridade fica para 2017

quarta-feira, 7 de dezembro de 2016

SÃO LOURENÇO DA MATA: ESCOLA DUQUE DE CAXIAS ABANDONADA PELA PREFEITURA

video


Moradores da zona rural de São Lourenço da Mata denunciam falta de merenda, água e até aula, em algumas escolas da rede municipal. Eles alegam que, desde que o prefeito perdeu as eleições, ele deu as costas para a comunidade

Brasil pode se tornar o Egito amanhã, viver uma convulsão social e acordar numa ditadura militar


Os últimos dias estão levando o Brasil para o território do imponderável e da falta total de seriedade com os destinos da democracia. E isso, infelizmente, pode levá-lo para um regime de força se a convulsão social, que já não parece tão distante, de fato vier a ocorrer.

Condições para uma intervenção militar estão desenhadas


O Supremo decide afastar da linha sucessória da presidência políticos que sejam réus na justiça, uma medida autoritária que reflete bem o espírito do tempo no Brasil. Dias Toffoli, contrário à decisão, resolve interromper a votação quando ela já estava definida, com um pedido de vistas maroto, chicana que aprendeu com seu mestre Gilmar Mendes. Então, depois de altercações públicas sobre accountability do Judiciário entre ministros do STF e o presidente do Senado e de faixas pedindo "fora Renan" nas manifestações do MBL, Marco Aurélio Mello manda afastá-lo do cargo em decisão monocrática. Renan Calheiros se esconde do oficial de justiça para não receber a notificação - ou melhor, não se esconde, desfila na frente dele enquanto manda a secretária dizer que não está. Ao mesmo tempo, a mesa do Senado comunica que não vai obedecer à liminar emanada do Supremo, manobra que conta com a participação ativa de Jorge Viana, petista que seria alçado à presidência da casa com o afastamento de Renan, mas que morre de medo de ter que exercer, na prática, seu oposicionismo verbal ao governo golpista.

“OU A DEMOCRACIA OU A GUERRA”, DIZ PRESIDENTE DO STF

Cármen Lúcia: dar as costas a um oficial de justiça é dar as costas ao Judiciário



Durante seu voto sobre o afastamento de Renan Calheiros da presidência do Senado, a presidente do STF, Cármen Lúcia, disse que "dar as costas a um oficial de justiça é uma forma de dar às costas ao Poder Judiciário". Segundo a magistrada, uma ordem judicial pode ser discutida, mas "tem que ser cumprida" para que não prevaleça "o voluntarismo de quem quer que seja". 

RENAM CALHEIROS CONTINUA COMO PRESIDENTE DO SENADO. QUE PAÍS É ESSE?